redacção

Sinto que devo explicar-me sobre o que tenho escrito em favor de uma mudança no jornalismo que possa acompanhar a inevitável massificação do uso dos suportes digitais. Apesar dos estudos que dão o suporte papel como ainda sobrevivente (e até mesmo com futuro, em termos gerais e não apenas de nicho, o que me parece completamente absurdo), como por exemplo este, patrocinado pelo Regulador ERC (cuja amostra integra vasta percentagem de pessoas mais velhas, 1/4 do total com mais de 65 anos), interessa-me sobretudo prospectivar. Em tempos de mudança, e de uma mudança que será sem dúvida rápida, outra coisa não faria sentido.

1. Quando referi, nos textos sobre Jornalismo, o velho jornalismo, quero com isso designar não forçosamente os jornalistas mais velhos mas as velhas cabeças: todos os que não fizeram verdadeiramente a actualização que o advento da era digital e a Globalização exigem Isto é, todos os que encaram a Internet apenas como um novo suporte, transpondo para o online os modos de fazer jornalismo que usavam para o papel. Continue reading “Um novo Jornalismo de Língua portuguesa”