“A CE diz que depende do Eurogrupo, o FMI depende do seu conselho geral. Não é possível que não haja um responsável quando os países [ajudados] estão a passar por uma brutalidade de uma agenda de ajustamento que forçou uma recessão gravíssima. (…) Quando perguntamos aos membros da troika quem é que os controla e perante quem é que respondem, não há ninguém. O BCE diz que está lá numa função basicamente técnica, o FMI está como um órgão com um perfil muito próprio de nível mundial. E a CE pelos vistos também não responde perante ninguém. (…) As troikas são uma aberração para a lógica do projecto europeu.” – Elisa Ferreira, deputada pelo PS no Parlamento Europeu ao jornal Público

Anúncios